terça-feira, 29 de julho de 2008

Tudo de mim



















Assim, dia sem chuva
Vou andando nas ruas
Perdido em mim mesmo
olhando em volta, 
Esse mundo é um estranho
Me olha nos olhos
E vende minha alma
Por poucas fagulhas de alegria

Poderia ser um novo tipo de deus
Ou mesmo mártir de meu próprio sofrer
Se te dissesse como te amo
Ou se te amasse como digo
As feridas levam sempre a caminhos perigosos
Doce escuridão que abraça essa luz frágil
A sua cadeira ainda balança
Parece uma dança de todos esses fantasmas e sombras

Meu inválido sangue corre nas suas veias gentis
Reproduz seu pranto, uma espécie de acalanto
Eu te vejo entre todas as artes
Como obra de mãos eternas, mas filha de seio mortal
De todas ela é a mais bonita
De todas é a mais rica
Não tem olhos nem cabelos
Não tem onde morar, e vai errando pelas esquinas

Tem asas mas não é anjo
Tem medo mas não é homem
Tem lágrimas mas não é vítima
Tem sangue, mas anda em morte
Vai se perpetuando na poesia dos coitados
Seres "não-seres" que vagam na história
Vai ninando o fruto do berço gélido
Sofrendo em risos, rindo chorando

Nasce  diariamente para o próprio fim
Vai se tornando poeira e caminha no vento
Ainda chora, por que a inocência persiste
Mas a imagen a engana, e proclama seu ideal
Profanaram sua casa, prostituiram seus sonhos
Apagaram seu rosto, tão belo e sereno
Sufocaram seu canto, tão sincero e leal
E vive assim, fagulha das florestas de seu proprio coração

!!!

Acordo, releio meus devaneios
Sua face ainda está lá, eternizada na parede
Te olho de longe, e é assim que sinto... distância
Que algum dia eu possa me perdoar,
Por ter me doado tanto pra tanta coisa
e ter esquecido de me doar para mim!!!

[E. Cinelli]

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Idiossincrasia
















IDIOSSINCRASIA (EVERTON CINELLI) http://www.myspace.com/evertoncinelli

AINDA POSSO SENTIR AMOR ENTRE AS SOMBRAS
COMO UM SOLDADO DA MORTE OU ANJO CONSOLADOR
PODERIA SER UM NOVO HEROI OU DEUS

MAS OS DIAS AQUI JA NÃO SÃO COMO ANTES
EU PODERIA AMAR POR UM TODO
E COMO CONSEQUÊNCIA ME TER COMO MÁRTIR
UMA BUSCA SILENCIADA POR ANOS DE SOLIDÃO
UMA SENTENÇA DADA POR CRIMES DE MISERICÓRDIA

SER É COMO ESTAR OU FINGIR
" SOU AQUILO QUE BUSCO OU MESMO O QUE ODEIO"
O ANTI-CONDICIONALISMO ME CONDENA
COMO PRESA DA MINHA PRÓPRIA AMBIÇÃO
SER POETA NAUM É SÓ ESCREVER COM A ALMA
É SANGRAR EM FORMA DE PALAVRAS
ENTENDER A VIDA É COMO BUSCAR A SAÍDA
NUM MUNDO ONDE AS PORTAS VÃO DIRETO NAS FERIDAS

HÁ COISAS QUE O TEMPO NÃO ESCONDE
E SENTIMENTOS QUE NOS FAZEM CHORAR
LÁGRIMAS SEMEIAM NOVAS E DOCES DÚVIDAS
PLATONICAMENTE PLANTADAS NA FÉ ALHEIA
É COMO A MUSICA NO BAILE DOS MORTOS
ONDE OS ESPÍRITOS DANÇAM A CADA ACORDE VAZIO
ALI ONDE ELES VIVERAM A MORTE
NASCE UMA NOVA PALAVRA DE CULPA E DOR

COMO NUM MUNDO SEM AR OU MESMO COR
SEM ÁRVORES, SEM VIDA OU PULSAÇÃO
VOCE SABE A HORA CERTA DE CHAMAR A CHUVA
E SABE A HORA DE LAÇAR A LUA
SABE QUE QUANDO A PENUNBRA PASSAR
VERÁ A BELEZA DESSA DOR SEM COR
DESSE UNIVERSO EM RETALHOS E ESQUECIMENTO
UM ENTROPIA SAGRADA E ABRUPTA

LEMBRO DA INOCÊNCIA PERDIDA E ISOLADA
DO SABOR DO ERRO E DA NOVIDADE
COMO O PRIMEIRO AMOR PERDIDO
COMO NOS DIAS DAS PRIMEIRAS PERDAS
DE COMO ME ENTREGUEI AQUIESCENTE À CULPA
ME CULPEI POR UM EXISTENCIALISMO INSÓLITO
FRUTO DO HEROÍSMO RELATIVO DO ACASO
E DAS SUB-SEQUÊNCIAS DE UMA VIDA DESTRUÍDA

"SER ÚNICO E ISOLADO EM UM UNIVERSO HOSTIL"
PARECIA-ME COMO FOLHA SECA E LIVRE
ME VI INDO COM O VENTO E COM AS MARÉS
PRA ONDE DEUS MANDASSE
MAS... QUEM É DEUS?
O CRIADOR, ONIPRESENTE, CIENTE E POTENTE
ENTÃO O DONO DA SENTENÇA FINAL
AQUELE QUE JAMAIS SERIA JULGADO OU CONDENADO

MAS ESSA IDÉIA DE DEUS FOI USADA COMO ARMA
E FOI MOTIVO DE MORTE E DOR
ENTÃO "DEUS" VIROU SERVO DO SERVO
E AS LEIS DA FISICA NAUM QUESTIONAM A QUEDA DESSA IDEOLOGIA
PORÉM VIVEMOS NUM MUNDO ONDE SE BUSCA HERÓIS
ONDE CULTIVAMOS DEUSES E MAGIA
SOBRENATURAL É UM TERMO PERJÚRIO
JÁ QUE SÃO NOSSOS OS CREDITOS DE TODA DIVINDADE

ASSIM COMO A BATALHA É PERDIDA NOS CAMPOS
É A VIDA QUE SE PERDE NOS SONHOS
E A LIBERDADE VIGIADA,
QUE NOS É DADA COMO DÁDIVA PATERNA, É RECEBIDA
COMO HINOS DE GLÓRIA SÃO ESSES GRITOS
SILÊNCIO QUEBRADO, AMOR JURADO
CRIANÇAS QUE CRESCEM COM MEDO
DE NÃO PODEREM SER MAIS QUE ESTATÍSTICA

HOJE TUDO É TÃO CRÚ E NÚ
MINHA DOR, MORRER POR AMOR
SONHAR E PLANTAR, SEMEAR O QUE SE SONHA
TER NA FÉ A ÚNICA ESPERANÇA
E COMO UMA CRIANÇA RECÉM-VITALIZADA
COMO SE UMA NOVA VIDA FOSSE BROTANDO
ANDANDO EU VOU, CANTAROLANDO O RENASCIMENTO
FRUTO DA ENTREGA E QUE NOS É DADO, SEM SER TOMADO

SÓ POSSO SER O QUE PENSO
E MINHAS IDÉIAS ME LEVAM À TI
AINDA TE BUSCO DE DENTRO DO VALE DO RESSENTIMENTO
ONDE PENDURAS UM AMOR ETERNO
TE LEVAREI AO JARDIM DA LÁGRIMAS SAGRADAS
UM LUGAR DO LADO DO SOL
E PERTO DO MEU QUEBRADO E INUTILIZADO CORAÇÃO
PARA QUE, PARA SEMPRE, MINHA DOR NÃO SEJA MAIS QUE POESIA INTERPENETRADA