quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Chave
























[E.Cinelli]

Eu não lembro se hoje sonhei
Não lembro se a noite afagou meus medos
Não sei exatamente onde começo ou termino
Eu não sei de mim
... Sofro assim, me tornando chave de mim
Abrindo as portas do seu silencioso receptáculo
Esse jardim em retalhos e sem flores
Vazio de som, cor e corpo...

Ahhh.... eu sangro pétalas escarlates
Me cubro com seu véu de abismo
Parece uma espécie de sinismo
Mas profetizo minhas lágrimas pesadas

Ah menina, eu te esperei por longos anos
Pensei que pudesse correr numa praia qualquer e te abraçar em câmera lenta
Eu queria te levar ao lago, banhar minha alma nua
Queria te dar o mundo, mesmo não tendo nada

Eu queria acreditar que podia ser para sempre
Você olhou em meus olhos e disse : sim, me entrego!!!
Na marcha desses anjos retorcidos, informe luz
Me perco... caio, caio!!! apenas vou-me indo além!!!
Ouvi seu coração bater dentro do meu peito
Chorei e sofri sem estar triste ou desolado
Eram suas chamas ardendo dentro de mim
Eras suas asas que me levavam ao distante "eu"

para sempre um?????????

onde, onde tudo perdeu o sentido???

Nenhum comentário: