terça-feira, 19 de abril de 2011

À Sereia do Mar da Madrugada


À Sereia do Mar da Madrugada

(Everton Cinelli)


Hoje, diferente dos outros dias, eu estou bem

Não que seja um discurso pouco prático de um degenerado

As minhas asas sujas tocaram sua face límpida

Nessa noite única, de uma vida comumente anormal

Você, anjo da madrugada, trouxe luz a esse desencantado vale

Nem deve saber como, por que pensa estar na escuridão

Mas você é luz pura e intensa, queimando as sombras

Trazendo de volta à vida, esse soldado do tempo

Eu olhava seu sorriso e você nem via

Perdida no tempo-espaço, olhando dentro do vento

Sua voz era suave, uma música linda

Ali, deitada na minha frente, eu comecei a acreditar em sereias


Esse e mais textos no Recanto das Letras

www.recantodasletras.com.br/autores/philosoforum

Nenhum comentário: